domingo, 27 de dezembro de 2009

Sensacionalismo

Um exemplo da edição de hoje da Folha de São Paulo. Vejam como está o gráfico da avaliação do Kassab:





Notem que há 7 meses entre Outubro/2008 e Maio/2009, assim como entre Maio/2009 e Dezembro/2009. Contudo, o espaço entre esse dois períodos no gráfico é completamente diferente. Quem está olhando o gráfico rapidamente tem a impressão que de repente a gestão do Kassab começou a ser mal vista.

O mesmo gráfico, sem esse problema: (e bem mal feito =p)




Agora parece que a mudança de opinião das pessoas foi gradual.

Coincidência?

sábado, 10 de outubro de 2009

Finalmente!

Faz tempo que queria colocar isso aqui, mas não tinha quem desenhasse pra mim. [Se eu tivesse desenhado, dos poucos sobreviventes (que merecem um prêmio por seguir esse blog) nenhum mais continuaria por aqui, na certa]. E então ontem, quando abro a caixa de entrada do meu email, o que vejo?? A Autora Escondida gentilmente desenhou pra mim! Aí vai:


domingo, 4 de outubro de 2009





























Só?




























Rua sem saída?

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Recomendação de um blog, pra quem não conhece: http://graphjam.com/

sábado, 29 de agosto de 2009



coloquei principalmente pela parte cantada, que começa quando se clica no play e vai até o fim da 1a música...

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

EIAGIME 2

Não percam! www.ime.usp.br/~eiagime

Obs:

1) Este é um post de divulgação.
2) Talvez esse não seja apenas um post de divulgação. Talvez seja também um bom pretexto para não dizer que o blog está abandonado.
3) Divulgação?? Neste blog?? Hahahah...Tem o que, um visitante por dia?! Eu mesmo?!
4) É. É só pra dizer que o blog ainda é atualizado.

sexta-feira, 5 de junho de 2009

O que é expressão?



Válido também para Posts. Inclusive este.

(http://www.phdcomics.com/)

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Na última semana duas pessoas comentaram comigo sobre esse blog. Senti-me tão honrado que resolvi escrever alguma coisa aqui...


Caminhando pela rua, ele pensa.
A chuva o molha, ele não percebe.
O motorista buzina, ele não repara.
O farol fecha, não lhe interessa.
A moça grita, ele não olha.
O mendigo pede, ele ignora.
Mas que tanto lhe intriga? Ninguém sabe.

[Final alternativo-depressivo:
Mas que tanto lhe intriga? Ninguém se importa.]